Diferença Entre Pastores e Lobos!!!

 46 Diferenças entre Pastores e Lobos

Pastores e lobos têm algo em comum: ambos se interessam e gostam de ovelhas, e vivem perto delas. Assim, muitas vezes, pastores e lobos nos deixam confusos para saber quem é quem. Isso porque lobos desenvolveram uma astuta técnica de se disfarçar em ovelhas interessadas no cuidado de outras ovelhas. Parecem ovelhas, mas são lobos.

No entanto, não é difícil distinguir entre pastores e lobos. Urge a cada um de nós exercitar o discernimento para descobrir quem é quem.

  1. Pastores buscam o bem das ovelhas, lobos buscam os bens das ovelhas.
  2. Pastores gostam de convívio, lobos gostam de reuniões.
  3. Pastores vivem à sombra da cruz, lobos vivem à sombra de holofotes.
  4. Pastores choram pelas suas ovelhas, lobos fazem suas ovelhas chorar.
  5. Pastores têm autoridade espiritual, lobos são autoritários e dominadores.
  6. Pastores têm esposas, lobos têm coadjuvantes.
  7. Pastores têm fraquezas, lobos são poderosos.
  8. Pastores olham nos olhos, lobos contam cabeças.
  9. Pastores apaziguam as ovelhas, lobos intrigam as ovelhas.
  10. Pastores têm senso de humor, lobos se levam a sério.
  11. Pastores são ensináveis, lobos são donos da verdade.
  12. Pastores têm amigos, lobos têm admiradores.
  13. Pastores se extasiam com o mistério, lobos aplicam técnicas religiosas.
  14. Pastores vivem o que pregam, lobos pregam o que não vivem.
  15. Pastores vivem de salários, lobos enriquecem.
  16. Pastores ensinam com a vida, lobos pretendem ensinar com discursos.
  17. Pastores sabem orar no secreto, lobos só oram em público.
  18. Pastores vivem para suas ovelhas, lobos se abastecem das ovelhas.
  19. Pastores são pessoas humanas reais, lobos são personagens religiosos caricatos.
  20. Pastores vão para o púlpito, lobos vão para o palco.
  21. Pastores são apascentadores, lobos são marqueteiros.
  22. Pastores são servos humildes, lobos são chefes orgulhosos.
  23. Pastores se interessam pelo crescimento das ovelhas, lobos se interessam pelo crescimento das ofertas.
  24. Pastores apontam para Cristo, lobos apontam para si mesmos e para a instituição.
  25. Pastores são usados por Deus, lobos usam as ovelhas em nome de Deus.
  26. Pastores falam da vida cotidiana, lobos discutem o sexo dos anjos.
  27. Pastores se deixam conhecer, lobos se distanciam e ninguém chega perto.
  28. Pastores sujam os pés nas estradas, lobos vivem em palácios e templos.
  29. Pastores alimentam as ovelhas, lobos se alimentam das ovelhas.
  30. Pastores buscam a discrição, lobos se autopromovem.
  31. Pastores conhecem, vivem e pregam a graça, lobos vivem sem a lei e pregam a lei.
  32. Pastores usam as Escrituras como texto, lobos usam as Escrituras como pretexto.
  33. Pastores se comprometem com o projeto do Reino, lobos têm projetos pessoais.
  34. Pastores vivem uma fé encarnada, lobos vivem uma fé espiritualizada.
  35. Pastores ajudam as ovelhas a se tornarem adultas, lobos perpetuam a infantilização das ovelhas.
  36. Pastores lidam com a complexidade da vida sem respostas prontas, lobos lidam com técnicas pragmáticas com jargão religioso.
  37. Pastores confessam seus pecados, lobos expõem o pecado dos outros.
  38. Pastores pregam o Evangelho, lobos fazem propaganda do Evangelho.
  39. Pastores são simples e comuns, lobos são vaidosos e especiais.
  40. Pastores tem dons e talentos, lobos tem cargos e títulos.
  41. Pastores são transparentes, lobos têm agendas secretas.
  42. Pastores dirigem igrejas-comunidades, lobos dirigem igrejas-empresas.
  43. Pastores pastoreiam as ovelhas, lobos seduzem as ovelhas.
  44. Pastores trabalham em equipe, lobos são prima-donas.
  45. Pastores ajudam as ovelhas a seguir livremente a Cristo, lobos geram ovelhas dependentes e seguidoras deles.
  46. Pastores constroem vínculos de interdependência, lobos aprisionam em vínculos de co-dependência.

Os lobos estão entre nós e é oportuno lembrar-nos do aviso de Jesus Cristo: “Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores” (Mateus 7:15).

A Armadura de Deus

A frase “toda a armadura de Deus” vem da passagem do Novo Testamento: “Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus” (Efésios 6:13-17).

Efésios 6:12 indica claramente que o conflito com Satanás é espiritual e, portanto, nenhum arma física pode ser usada efetivamente contra ele e seus demônios. Não temos uma lista de táticas específicas que ele vai usar. No entanto, a passagem é bem clara ao dizer que quando seguimos todas as instruções fielmente, vamos poder resistir ao poder do mal e ter vitória, qualquer que seja a sua ofensa.

A primeira parte de nossa armadura é a verdade (versículo 14). Isso é fácil de entender, já que Satanás é o “pai da mentira” (João 8:44). Decepção é uma das primeiras coisas que Deus considera ser uma abominação. Uma “língua mentirosa” é uma das coisas que “o SENHOR aborrece” (Provérbios 6:16-17). Ele diz claramente que nenhum mentiroso vai entrar no céu (Apocalipse 22:14-15). Somos então exortados a usar a verdade para a nossa própria santificação e libertação e para o bem daqueles a quem somos testemunhas.

No versículo 14 somos encorajados a nos vestir com a couraça da justiça. Uma couraça iria proteger um guerreiro contra um golpe fatal ao coração ou outros órgãos importantes. Essa justiça não é obras de justiça feitas pelos homens – apesar de que elas seriam barreiras de proteção quando usadas contra acusações e censuras do inimigo. Ao invés disso, essa é a justiça de Cristo, imputada por Deus e recebida pela fé, a qual guarda os nossos corações contra as acusações de Satanás e protege o nosso ser interior contra seus ataques.

Versículo 15 fala da preparação dos pés para o conflito espiritual. O soldado moderno, assim como o guerreiro da antiguidade, precisa prestar bastante atenção aos seus pés. Às vezes o inimigo da antiguidade colocava obstáculos perigosos no caminho dos soldados que estavam avançando. Isso é bem parecido com os campos minados de hoje. Doenças também podem danificar os pés de um soldado que não tem seus pés protegidos. A idéia de ter o evangelho da paz como calçado sugere o que precisamos para poder avançar no território de Satanás; precisamos da mensagem da graça, a qual é tão essencial para ganhar almas para Cristo. Satanás tem colocado muitos obstáculos no caminho da propagação do evangelho.

O escudo da fé, ao qual o versículo 16 se refere, torna ineficaz o ataque de Satanás de plantar dúvidas em relação à fidelidade de Deus e Sua Palavra. Nossa fé – da qual Cristo é o autor e consumador (Hebreus 12:2) – é como um escudo de ouro, precioso, sólido e importante. Esse escudo é como um escudo de guerreiros fortes, pelo qual coisas importantes são alcançadas, e pelo qual um crente não só repele, mas também conquista o inimigo.

O capacete da salvação do versículo 17 protege a cabeça e serve para proteger uma parte do corpo que é tão importante. Podemos dizer que o jeito que pensamos precisa de preservação. A cabeça de um soldado era uma das partes principais a serem defendidas, pois ela podia sofrer um dos ataques mais mortais, e é a cabeça que comanda todo o corpo. A cabeça é o centro da nossa mente, e quando ela possui a “esperança” certa do Evangelho de vida eterna, não vai receber doutrina falsa, ou deixar-se influenciar pelas tentações de Satanás de desespero. Uma pessoa não salva não tem nenhuma esperança de se proteger dos ataques de falsa doutrina porque sua mente é incapaz de discernir entre verdade e mentira.

Versículo 17 interpreta a si mesmo em relação ao que quer dizer com a espada do Espírito. Enquanto o resto da armadura é em sua natureza armas de defesa, aqui se encontra a única arma de ataque na armadura de Deus. Ela se refere à santidade e poder da Palavra de Deus. Uma arma espiritual maior não existe. Nas tentações de Jesus no deserto, a Palavra de Deus sempre predominou em suas respostas a Satanás. Que benção saber que a mesma Palavra também está disponível a nós!

Orar no Espírito (quer dizer, com a mente de Cristo, com Seu coração e Suas prioridades) como vemos no versículo 18 é o ponto auge do que está envolvido em nos preparar e utilizar todas as armas de Deus anteriormente mencionadas. É significante que essa passagem das Escrituras é tão fiel às prioridades de ministério destacadas por todas as epístolas de Paulo; ele acredita que oração é o elemento mais importante para a vitória e maturidade espirituais. Ele deseja ardentemente esse tipo de oração em sua vida também (versículos 19-20).

A minha vitória tem sabor de mel?

Assim começa o Salmo 20: “O SENHOR te ouça no dia da angústia; o nome do Deus de Jacó te proteja” (v.1). Não vemos aqui propriamente um hino de louvor a Deus, mas uma mensagem para o rei. Mesmo assim, a grandeza do Senhor é o que mais se destaca nesse salmo. No Salmo 37, a letra da composição também é um estímulo para o justo: “Não te indignes por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos que praticam a iniquidade. Porque cedo serão ceifados como a erva e murcharão como a verdura” (vv.1,2). No entanto, nota-se, nos quarenta versículos desse salmo, que a ênfase recai na Ajuda do Alto para os servos do Senhor. A Harpa Cristã — hinário oficial das Assembleias de Deus, editado pela CPAD —, a despeito de não ser perfeita, segue o estilo contido nos Salmos. A maioria das suas composições é de louvor a Deus, mas também possui hinos com mensagens inspirativas para os servos de Deus. Assim começa, por exemplo, o hino 4: “Não desanimes, Deus proverá; Deus velará por ti; sob suas asas te acolherá; Deus velará por ti”. Não é de hoje que existem hinos cuja letra é uma mensagem animadora, confortante para o crente, em vez de conterem palavras de louvor dirigidas diretamente a Deus. A despeito disso, boa parte dos Salmos bíblicos começam com ordens expressas, como “Louvai” e “Cantai”. Se tomarmos como base esse livro veterotestamentário, a maioria dos nossos hinos deveria ser de enaltecimento ao nome do Senhor, posto que apenas uma pequena parte dos Salmos é de composições com mensagens de exortação, de estímulo para o justo. Bem, como vimos, não há problema algum em uma parte dos hinos evangélicos conterem mensagens inspirativas, em que se menciona o cuidado de Deus para com os seus servos fiéis. Mas o que é preocupante é o fato de, hoje, a maioria (quase todas) das composições evangélicas não pertencer à modalidade louvor e adoração. Além disso, é preciso fazer uma distinção entre os hinos inspirativos e as canções de autoajuda ou que contêm sentimento de vingança. Estas, aliás, apesar de serem as que fazem mais sucesso no meio evangélico, não podem sequer ser consideradas hinos cristocêntricos, e sim canções antropocêntricas, posto que a sua ênfase recai nas necessidades e na vitória do ser humano, em detrimento da grandeza de Deus e da obra redentora. A canção Sabor de Mel, cujos vídeos no YouTube já atingem a casa dos milhões. Ela até começa bem, mencionando o agir de Deus na vida do crente fiel. Entretanto, ao longo da composição, não se vê menção clara e prioritária aos atributos do Senhor. Pelo contrário, o que se sobressai são bordões de autoajuda e que contêm sentimento de vingança. É claro que há também erros de construção frasal na aludida canção, mas não vou mencionar isso para que os leitores não se desviem do foco. Observe como o sentimento de vingança se evidencia neste trecho: “Quem te viu passar na prova e não te ajudou, quando ver você na benção vão se arrepender; vai estar entre a platéia, e você no palco…” Esse tipo de sentimento, que leva o cristão a querer mostrar aos outros que ele é vencedor, e os seus inimigos derrotados, não combina com a vida cristã. Seria bom que todos os compositores lessem as palavras de Jesus registradas em Mateus 5-7. Ainda sobre o hit Sabor de Mel, o refrão, à luz do contexto da composição, dá a ideia de que o crente está, como um jogador de futebol que conquista um campeonato, comemorando de modo provocativo, como que alfinetando os derrotados: “Mas minha vitória hoje tem sabor de mel, tem sabor de mel, tem sabor de mel. A minha vitória hoje tem sabor de mel”. Ou seja, é como se o servo de Deus tivesse a necessidade de mostrar a todos que ele venceu, e os seus inimigos perderam. Isso, definitivamente, não combina com a vida cristã. Que Deus cuida do justo não há dúvidas. Mas não cabe a nós a vingança nem o sentimento de vingança. Em Romanos 12.19,20 está escrito: “Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira [de Deus], porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o SENHOR. Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça”.

Deus é bom…!!!

“VERDADEIRAMENTE bom é Deus para com Israel, para com os limpos de coração.” (Salmos 73 : 1)

deus é bom

“O SENHOR é bom para todos, e as suas misericórdias são sobre todas as suas obras.” (Salmos 145 : 9)

Essa semana fui supreendido com um convite para estar pregando amanhã, no encerramento do congresso da mocidade, da igreja O Brasil para Cristo, na igreja sede de campinas, no congresso geral do campo.

Tenho certeza que Deus está no controle, e é vontade Dele que eu esteja lá.

Não estou escrevendo para me engrandecer, mas para declarar que Deus é bom, mesmo porque não me considero “pregador” e  acho que nem eu me convidaria para pregar num congresso desses, mas Deus trabalha da maneira que ele quer, Ele põe quem Ele quer, onde Ele quer, na hora que Ele quer!

Não considero isso como uma vitoria pessoal, mas continuo a dizer que Deus é bom, porque há momentos em nossa vida, em que deixamos de acreditar em nós mesmos, mas Deus sempre confia, ajuda, fortalece, dá ânimo, encoraja, nos coloca de pé e ainda nos toma pela mão e caminha ao nosso lado.

Talvez alguem que esteja lendo este artigo agora, esteja passando por um momento critico, seja na sua vida pessoal ou ministerial, mas uma coisa é certa, se foi Deus quem te chamou Ele vai aperfeiçoar a obra que Ele começou, não desista, não importa o tamanho da sua luta, mas se você tem o caração limpo e desejoso da obra do Senhor, com humildade, não busca interesses proprios, pode ter certeza que o Senhor vai te ajudar, nem digo te exaltar, por que, de certa forma se o nome de Deus é que tem que aparecer, então nem precisamos ser exaltados, eu nem quero que Deus me exalte, só quero fazer a vontade Dele e viver uma vida de comunhão!

É por isso que acredito na palavra de Deus e em suas promessas, mas não vivo em função das promessas, nem em função daquilo que Deus pode me dar, porque Ele pode me dar tudo…mas vivo em função do amor Dele por mim, da graça, vivo pela gratidão Dele ter me tirado do lodo do pecado, da perdição, de uma uma vida que estava fadada a viver uma eternidade de sofrimento e pelo seu sangue fui liberto de tudo isso e ainda vou viver uma eternidade de gozo ao lado do Senhor!!!

O que Deus está fazendo comigo, Ele já fez com muitos outros e pode fazer com você tambem, pois  Deus não tem queridinhos ou queridinhas, Ele tem filhos e filhas, os quais ele ama de igual modo e que se estiverem dispostos a serem usados, Ele o fará…

Basta somente crer, e se colocar a disposição, para viver um evangelho pleno em amor e justiça, tendo a palavra de Deus como arma, e a salvação como alvo, isso é o Reino de Deus!!!

Graça e Paz!

Pb Julio Bertie